domingo, 14 de outubro de 2018

O que é chamado de “narcisismo sexual”



Oswaldo M. Rodrigues Jr.
Psicólogo (CRP06/20610)
psicoterapeuta sexual e de casais
Instituto Paulista de Sexualidade – InPaSex


            Este é um termo que alguns profissionais de saúde mental preferem chamar de narcisistas perversos. São pessoas que tem uma combinação com o comportamento sexual de dependência.
            Existem algumas razões para considerar estas pessoas como narcisistas sexuais e até algumas maneiras de se saber se você vive com uma destas.
            O que se denomina narcisista sexual é uma pessoa que não sabe se relacionar e manter intimidades com as parcerias. Eles não conhecem outra maneira de se relacionar. Eles não compreendem isso e não entendem que poderiam ser diferentes ou que as pessoas com quem convivem tem outras necessidades, diferentes das dele. Sendo assim, eles machucam emocionalmente as pessoas com quem convivem.
            O narcisista usa de sedução e manipulação, com o poder que tem explora as parcerias, e as trata como objetos para a satisfação pessoal.
            O narcisista derrama no outro suas coisas ruins por ser impossível conviver com estas ideias e pensamentos.
            Falta-lhes empatia, compaixão e uma compreensão sobre os outros e sobre si mesmo. Assim ignoram completamente os sentimentos da outra pessoa, e tomam para si, no relacionamento, o que querem para satisfazerem-se, entendendo que podem fazê-lo.
            No ato sexual eles se sobrepõe à parceria, coagindo-a para fazer sexo nos momentos que ela não gostaria de fazê-lo. A coação se faz por imposição e jogos de palavras que lhe dão a sensação desse direito, e assim será a outra pessoa submetida.
            A parceira é percebida em débito com ele, portanto ele entende que ela fará o que ele quer. E sob coação, ela efetivamente fará, mesmo que não perceba que determinados atos lhe sirvam ou estejam de acordo com seus padrões morais.
            O narcisista não tem muitos limites, assim forçará a parceira a atos que ela não precisa, mas ele manipulará, intimidará, seduzirá... um dos métodos será uma forma de abuso psicológico no qual informações são distorcidas, seletivamente omitidas para favorecer o abusador ou simplesmente inventadas com a intenção de fazer a vítima duvidar de sua própria memória, percepção e sanidade. Estas manipulações são feitas em direção ao desejado, usando o mentir para chegar ao que querem.
            Durante o sexo o narcisista não está conectado emocionalmente com a outra pessoa, não lhes importando se elas estão tirando prazer do ato a dois. Afinal, para ele, o que ocorre, é um direito adquirido, ele só está tirando o prazer que lhe é devido pela parceria.
            Alguns narcisistas sentem um prazer extra pela parceria não estar obtendo este prazer no contato a dois. Se ela disser que lhe faltou algo, que algo não estava bem, o jogo será virado com ataques e agressões defensivas pelo narcisista, tornando-se vítima da situação. Assim faz a parceria sentir-se culpada. Argumentos simples serão sempre usados com frases do tipo “mas você não me parou”, “você nunca quis fazer sexo, você não tinha vontade, e se você me falasse, eu iria fazer outra coisa”. Claro que uma forma de forçar será sempre perguntar “Você gostou, não foi?” ou reforçando a situação “você sabe que me excita fazer sexo mesmo quando não está a fim”.
            Essa falta de interação e apatia pode trazer problemas sexuais de excitação (dificuldades eréteis nos homens e falta de lubrificação vaginal nas mulheres). Assim o narcisista precisa e um ato sexual que os tire da chatice que vivem, seja estimulante, precisam de sobre estimulação erótica. Isso facilita que tenha mais e mais atividades sexuais pervertidas e que não são consideradas comuns ou morais. O uso de pornografia é comum facilitando a busca de novas formas de excitar-se. A busca leva a extremos que chegam ao estupro, o assalto sexual, fetiches de todos os tipos, perversões e explorações de pessoas rebaixando a objetos.
            Eles têm grande prazer vendo a parceria fazer algo que ela não quer, apenas para ele ter prazer. Mostrar que tem prazer em tirar algo da outra pessoa e mostrar como ele conseguiu e o quanto poderoso ele é.
            E o que podemos olhar para saber se acontece ao nosso redor?
1 – Eles querem sexo de você todos os dias, muitas vezes mais, fazendo você sentir-se culpada por não querer sexo;
2 – Assistem bastante pornô e se masturbam frequentemente;
3 – Você se sente objetificada por ele – algumas vezes implica em ser apalpada nas nádegas quando você está lavando pratos, falar sobre outras mulheres de modo a serem inferiores a homens, sem considerar as necessidades sexuais ou sentimento;
4 – Eles ignoram você ou se diz não para o sexo eles continuam a tentar o sexo.
5 – Não se sentir sexualmente segura ou com intimidade ao lado dele, parecendo uma obrigação;
6 – Se você estiver confortável com a situação sexual proposta, ele a fará sentir-se estúpida, envergonhada e desapontada se algo for diferente do que ele quer;
7 – Eles procuram dominação no sexo, papéis que envolvem fantasias de estupro, brincadeiras nas quais a parceira é uma adolescente, não questionar ou mostrar-se importar-se com o que sente durante a atividade sexual...
8 – Quer fotografar e fazer vídeos para assistir depois...

            Estes são sinais em sua parceria sexual que podem significar que precisa de ajuda de um psicoterapeuta para debater e compreender o que lhe acontece neste setor de sua vida.
            Assim foram construídas relações que hoje chamamos de tóxicas, onde existe medo da outra pessoa, impossibilidade de mostrar seus valores morais e limites, sentir-se respeitada enquanto pessoa no que quer ou pode querer. A psicoterapia auxiliará a libertar-se, desenvolver mecanismos de como enfrentar esta situação e mesmo como sair dela.



A psicoterapia funciona?



Oswaldo M. Rodrigues Jr.
Psicólogo (CRP06/20610)
psicoterapeuta sexual e de casais
Instituto Paulista de Sexualidade – InPaSex

                Sou psicoterapeuta há mais de 30 anos. Atendo no consultório de 20 a 50 horas por semana desde iniciei a carreira na psicologia clínica. Com o trabalho aprendei algumas coisas, mas o que quero apresentar aprendi já nos primeiros anos e foi muito importante para minha profissão e os que me buscaram.
                Mas já ia partindo do princípio que todos sabem o que é a psicoterapia...
                Mas acho melhor explicar, mesmo que rapidinho ou parcialmente.
                A psicoterapia é uma forma de tratamento que tem como fundamento a psicologia e se destina a solucionar ou modificar comportamentos que fazem a pessoa sofrer. Os chamados problemas psicológicos são tratados ela psicoterapia. O tratamento e faz através do conversar, com questionamentos e orientações, algumas vezes contém o aconselhamento, mas não damos conselhos. É um processo de aprendizagem de novos caminhos para enfrentar problemas antigos da pessoa, ajudá-la a ter outras formas de enfrentar o problema, resolvê-lo ou superá-lo, deixando de sofrer e tendo forças para desenvolver outras questões na vida, algo mais produtivo do que sofrer com o problema anterior.
                Então, a pergunta é se a psicoterapia funciona...
                Este é um questionamento importante eu todos devem ter e fazer, inclusive nós psicoterapeuta fazemos e com razão e necessidade.
                Existem candidatos a tratamentos psicoterápicos que se adequam ao tratamento psicoterápico, e outros... não.
                Um psicoterapeuta com um par de anos de atuação aprende distinguir, saberá em quem apostar, em quem se dedicar para auxiliar a vencer os problemas que trazem esta pessoa em busca de ajuda.
                Há 30 anos tive dois pacientes emblemáticos. Auxiliaram muito reconhecer estas diferenças.
                Numa tarde de sexta-feira, nos primeiros anos dos 1990, vem para uma primeira consulta um homem de quase 50 anos de idade, chegando numa Mercedes classe E, com motorista uniformizado (!). Era uma época sui generis economicamente no Brasil, pois tínhamos o hábito de dolarizar as consultas para proteção contra a inflação alta que vivíamos (chegara a 80% ao mês). Este homem explica o problema que vivia, uma dificuldade erétil, incapacidade de relacionar-se sexualmente. Havia passado por médicos que afirmaram que ela não tinha nada físico para ser tratado e precisa de psicoterapia, para poder retomar um caminho de comportamento sexual satisfatório. Iniciei a propor o contrato de psicoterapia que deveria ser de uma sessão semanal, cada uma com 50 minutos de duração, que preferia que ele viesse com a parceira sexual, e que cobrava o equivalente a U$300.oo a sessão. Neste momento ele me afirma considerava muito caro o valor de consulta... ele que tinha três fábricas, e claro administrava as fábricas, usava o dia ao redor destas atividades. Disse que podíamos conversar sobre os valores na sequência. Assim passei ao próximo item, dias e horários. Sempre tive consultório bem ocupado, e nestas épocas atendia, nas sextas-feiras, desde 08 da manhã até as 21 (já fora piada em sala de professores na faculdade onde lecionava: “só uma hora, das 8 às 9h?”). Afirmei que teria as sextas-feiras às 15h para oferecer para iniciarmos o tratamento. O candidato a paciente disparou rapidamente impondo-se que horário para ele somente antes das oito da manhã, ou depois das oito da noite, afinal, “como ele poderia sair do escritório toda semana no meio da tarde, o que os funcionários dele iriam falar?”... respirando fundo, entreguei meu cartão de visitas a ele, confirmando o horário disponível e o valor por sessão, afirmando que compreendia que se ele desejasse iniciar a psicoterapia na semana seguinte, eu aguardaria que me comunicasse até a segunda-feira à tarde, caso contrário eu disponibilizaria o horário a outra pessoa que considerasse que era o momento de vida de produzir mudanças. Por dentro eu pedia que ele não me telefonasse, pois parecia o tipo de candidato a paciente que poderia vir quatro ou cinco sessões, se eu aceitasse as condições dele, diminuísse o valor de consultas, visse mais cedo... e ele abandonaria o tratamento, e ainda consideraria que tentara e a falha não era dele...
                Outro ícone nestas discussões mostrou o tipo de pessoa que poderia eu ajudar.
                Era uma terça-feira à tarde, também no início dos anos 1990. Um rapaz de 21 anos de idade, vindo de área rural do noroeste do Paraná morar com um tio em Diadema (era uma cidade com os menores índices de qualidade de vida na grande São Paulo à época), e trabalhava numa oficina mecânica recebendo uma percentagem dos serviços que produzia. Visível era a graxa sob as unhas, mesmo que estivesse bem vestido, e limpo. Também trazendo a dificuldade de ter e manter ereções penianas que permitissem uma relação sexual com penetração. Iniciei os passos de contrato. Ele poderia vir semanalmente, sim, e isto significava pegar um trem e cainhar um par de quilômetros até o consultório... Valores, ele não poderia pagar o que eu cobrava, mas fez uma proposta equivalente a 30% do que normalmente fazia mensalmente para as quatro sessões mensais... um terço do valor de consultas para as quatro sessões... e neste momento conta que havia procurado uma psicóloga na cidade em que morava e havia proposta este valor e ela aceitara... Opa... ele já havia contatado psicoterapia. Neste caso, disse a ele que eu não poderia aceita-lo enquanto cliente se ele já se encontrava sob acordo para um tratamento semelhante com uma colega, propondo que ele pensasse a respeito, e que se ele considerasse que eu deveria ser o psicoterapeuta escolhido, antes ele desfizesse o acordo com a outra psicóloga e nós voltaríamos a conversar. Dois dias depois ele telefona para contar que havia se decidido por mim e que já havia desfeito o acordo com a colega, mas o dono da oficina fechou o negócio e ele estava sem trabalho por enquanto, mas sabia que logo conseguiria outro e que quando isso ocorresse ele poderia vir para o tratamento, questionando se eu aceitaria. Demonstrava um esforço e organização em prol dos objetivos... Concordei. E assim se passou o restante do mês de março daquele ano... e mais alguns meses, quando na segunda metade de junho recebo um telefonema intrigante, interessante... a produtora do programa “A porta da esperança”. Este programa de televisão se iniciara em 1984 e realizava sonhos e necessidades de pessoas que não podiam pagar pelo que precisava. A produtora explicou que receberam a carta de um jovem com impotência sexual que pedia um tratamento gratuito comigo, e propunha um negócio: eu teria 20 minutos para divulgar meu trabalho, durante o programa de maior audiência na TV naquela época, poderia ser ao vivo, mas eu poderia ter esta participação gravada em meu consultório, se assim o desejasse. Os de minutos restantes do quadro ficariam com o condutor do programa e o rapaz que contaria o problema dele em púbico... o quê? Complicado isso de expor a alguém que confiava em mim... eu não estaria cometendo nenhum erro ético, eu não promovia a exposição dele... diretamente... mas não podia concordar com o que ocorreria, sabendo também que seria contraproducente esta exposição. Estava entre sessões quando esta jornalista me telefonara, então pedi seu número e que depois falaríamos, mas naquela hora tinha que atender o paciente do horário que já aguardava. Precisava de tempo para ponderar... no dia seguinte, a quinta-feira, de manhã, telefonei ao rapaz. Mal tive tempo de explicar a razão pela qual eu ligava, e ele já falava de modo alegre que havia começado a trabalhar naquela semana e que poderia fazer o tratamento, perguntando se eu aceitava o valor que havíamos falado havia três meses (lembremo-nos que em três meses a inflação teria comido substancialmente o valor de compra do que era proposto...). Aceitando, expliquei o ocorrido, contando que eu já decidira que o atenderia gratuitamente caso ele pudesse vir para as sessões. Mas ele propunha pagar pelo trabalho. E veio semanalmente e em seis meses estava sexualmente ativo e satisfeito.
                Isso me mostrava que não era o que pagava, mas o que se esforçava em seguir a psicoterapia que teria sucesso.
                Es
Este era um princípio que sempre insistiam na faculdade de psicologia: a psicoterapia somente funciona para quem a aceita e para quem se envolve no tratamento. Mas semrpe será nossa vivência cotidiana que mostrará, pela prova da realidade, os caminhos corretos e úteis.
Assim, se alguém me procura no consultório já duvidando do tratamento... sei que não posso ajudar. Se alguém não se coloca disponível e investe no tratamento psicoterápico, não lucrará com ele.
E isso ainda segue algumas outras regras que sempre serão necessárias para o desenvolvimento e aproveitamento do processo psicoterápico. Outro exemplo negativo é o paciente que vem alcoolizado (mesmo com uma dose de álcool) ou sob efeito de maconha. Nestes casos o processo de modificações, de memória, de aprendizado são afetados e não faremos bom uso das sessões... e as semanas se arrastarão. E tente dizer isso como regra no primeiro dia, durante o contrato... seguramente não seremos levados a sério, pois estas pessoas sob efeito de substâncias têm a “certeza” de que sabem mais e que isso nunca seria um empecilho ao tratamento...
Assim tive que aprender que quem chega ao consultório falando que a terapia não funciona... esse alguém tem razão... com ele nunca funcionará, pois ele barrará qualquer e toda possibilidade de modificação ou direcionamento que implique nestas mudanças.
                Sei que a psicoterapia auxilia a mudanças de comportamentos, atitudes, interação social em prol de melhoria de qualidade de vida... mas para quem esteja disponível a mudar.
                Aos incrédulos, aos que não tem condições de aceitar algumas realidades, nada que façamos será útil. Nada, mesmo que saibamos que é o caminho da verdade. Se fizermos a demonstração caminhando sobre a água, na frente destas pessoas, elas terão outras compreensões, e olharão para o que lhe aprouver e que confirmem suas compreensões destrutivas de vida, até falarão: mas esse sujeito nem consegue nadar...”
                Assim ao procurarmos psicoterapia, somos quem vai definir se faremos o tratamento, pois o psicoterapeuta já saberá no primeiro momento se temos chances de usar esta forma científica e baseada na vida humana. Funcionar... claro que funciona, mas será necessário permitir que o caminho seja seguido.